Biologia e Geologia na Escola

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais – Biologia e Geologia

Nasceram os primeiros ratinhos filhos de dois pais

Posted by BG em 13/12/2010

A reprodução em mamíferos deu mais um passo no laboratório depois de cientistas norte-americanos terem conseguido criar ratinhos a partir de material genético de dois pais. A descoberta só foi possível através da utilização de células estaminais.

O artigo com a descrição da descoberta foi publicado esta semana na revista Biology Reproduction. Os autores dizem que esta tecnologia pode ajudar a salvar espécies que tenham poucas fêmeas na população e, também no futuro, pode vir a ajudar a casais do mesmo sexo a ter filhos.

Os cientistas, da Universidade do Texas, utilizaram fibroblastos (células da pele) de um ratinho macho para criar células estaminais pluripotentes – um processo que passa pelo retorno da célula a um estado primário, em que pode dar origem a diferentes tipos de células.

Fonte: Jornal Público

Uma pequena percentagem destas células, nas sucessivas duplicações, perdeu o cromossoma sexual Y que define o sexo masculino nos ratinhos (e também nos humanos) e só é dado pelos pais, e ficou apenas com o cromossoma sexual X.

Raparigas que são rapazes

Apesar de ter usado apenas material genético de machos, a experiência não seria possível se, por um lado, não se usassem embriões doados por fêmeas, e se depois o próprio material genético masculino não originasse um ratinho fêmea.

Primeiro, o conteúdo genético das células do macho só com o cromossoma X foi injectado num embrião. Em seguida, este embrião foi transferido para outra fêmea, onde se deu o resto da gestação.

Os ratinhos que nasceram deste embrião e que tinham o genes do ratinho macho eram funcionalmente fêmeas, por só terem um cromossoma sexual X (normalmente as fêmeas têm dois cromossomas X).. Quando cresceram, estes ratinhos cruzaram-se com ratinhos machos normais. Os seus filhos é que descendem originalmente de dois pais.

O estudo foi liderado por Richard R. Berhringer. Segundo os investigadores, com uma variação desta técnica é possível “produzir espermatozóides a partir de doadoras fêmeas e gerar descendência viável masculina e feminina a partir de duas mães.”

O estudo alertou que uma aplicação destas em seres humanos ainda está longe de acontecer, porque a produção de células estaminais pluripotentes de humanos ainda necessita de muitos refinamentos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: