Biologia e Geologia na Escola

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais – Biologia e Geologia

Grupo de investigadores do Instituto Gulbenkian faz descoberta com implicação nos estudos de cancro

Posted by BG em 07/06/2011

Um grupo de investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) concluiu que o esqueleto das células controla a multiplicação das mesmas e, consequentemente, a formação de tumores, uma descoberta que tem implicações nos estudos do cancro.

De acordo com um comunicado hoje divulgado pelo IGC, a equipa “identificou uma ligação inesperada entre o esqueleto da célula e o tamanho dos órgãos do corpo”.

“Num estudo publicado na revista ‘Development’, Florence Janody e o seu grupo de investigação mostram que uma das proteínas que regula o esqueleto da célula também influencia a ativação de genes que promovem a sobrevivência e proliferação das células”, refere a nota.

Fonte: Lusa/SAPO

O IGC explica que “esta descoberta tem implicações para estudos de cancro, uma vez que contribui para se compreender de que forma os genes de proliferação são indevidamente ativados, dando origem a tumores”.

“À medida que um embrião se desenvolve, as suas células multiplicam-se e os órgãos crescem. Para que os órgãos não ultrapassem as dimensões do corpo em que se encontram, o seu crescimento é rigorosamente controlado, a vários níveis. Um dos principais reguladores é o complexo Hippo (um grupo de proteínas), que existe também em mamíferos”, refere a nota.

O comunicado explica que, “na ausência da atividade de Hippo, os órgãos crescem mais do que é suposto, e em adultos este crescimento anómalo e extemporâneo pode levar à formação de tumores”.

O grupo do IGC descobriu que o Hippo “também é regulado pelo esqueleto da célula, em particular por uma das suas proteínas, a ‘actin-capping’”.

“Os nossos resultados mostram que, para evitar crescimento anormal em larvas de mosca da fruta, o citoesqueleto tem que estar finamente regulado: basta uma ligeira desregulação e o equilíbrio é alterado, levando à proliferação celular, nem sempre desejada”, afirmou a chefe do grupo de investigação, Florence Janody.

A investigadora referiu ainda que, “uma vez que Hippo também atua em moscas adultas e em mamíferos, é previsível que o que descobrimos possa ajudar a desenhar estratégias para manipular este processo em células humanas, com vista à prevenção de tumores ou à sua progressão”.

O trabalho de investigação foi realizado no IGC, com financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Uma resposta to “Grupo de investigadores do Instituto Gulbenkian faz descoberta com implicação nos estudos de cancro”

  1. Vasco Marreiros said

    Muito fixe mesmo😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: